Médicos dizem que Portugal tem de se preparar melhor para “segunda vaga”